Escolha uma Página

Qual será o futuro das experiências de marcas?

por | 16/09/2020 | Comunidade

Texto | Gleidistone Silva, membro da comunidade Imagem | Campanha Natura

Sou assinante da newsletter Cápsula sobre a cultura dos festivais e eventos. Na edição de hoje eles trouxeram uma reflexão super pertinente sobre o futuro das experiências de marcas daqui pra frente. 

Um dos conceitos abordados foi o de marcas regenerativas

Publicada recentemente na Fast Company, seu contexto traduzido seria algo mais ou menos assim:

“O mundo contemporâneo vive uma interseção de múltiplas crises: o COVID-19 e a pandemia, o aquecimento global e os desastres climáticos, a injustiça racial e violência policial, o abuso de poder e o aumento da desigualdade econômica são algumas das tensões desse espírito do tempo. 

Esperamos uma resposta das marcas que se tornaram íntimas em nosso dia-a-dia. Não apenas nas ‘modas’ ou ‘oportunismos’ que ficam para trás com o tempo. Mas, sim, através de ações que desafiam fundamentalmente o status quo que nos fizeram chegar até aqui. 

Estamos vivendo uma era de mudança de paradigmas, e não mais a era da mudança de preferências.”

Palavras como propaganda, comercial e marketing já não possuem o mesmo significado ou valor que antes da Internet, quando bastava chamar o Don Draper (o famoso publicitário da série Mad Men) para resolver os problemas de uma marca ou produto. 

Descrentes, cínicos, saturados e empoderados, não só questionamos slogans e mensagens de marcas, como hoje é possível articular-se para derrubar qualquer uma delas em uma ação conjunta nas redes sociais.

Como diria o guru de marketing Brian Solis, “a força de uma marca depende da soma de suas experiências”

Mais que nunca, fazer tornou-se mais importante que dizer. 

As marcas regenerativas são uma evolução necessária das marcas sustentáveis ou marcas resilientes.

Como o artigo explica:

“Sustentabilidade e resiliência são qualidades desejáveis, mas elas significam uma continuação do status quo e da habilidade para sobreviver. Marcas regenerativas buscam criar valor para todos os seres por todo o tempo. Elas têm aspirações maiores e entregam um valor maior também. Elas se tornam mais fortes ao desafiar o status quo e melhorar o sistema para todos nós.

E como isso funciona, na prática?

O futuro das experiências de marcas já está acontecendo. No Brasil, marcas como Magazine Luiza, Natura, Pepsico e Ambev vêm se destacando durante a pandemia ao desafiar o status quo, buscando solucionar tensões da sociedade com bons exemplos de experiências regenerativas.

:: Magazine Luiza ::

Durante a pandemia, a Magazine Luiza mostrou que uma simples e prática ideia pode resolver um dos problemas mais sérios que o Brasil vive: a violência doméstica contra mulheres. O botão de denúncia é uma sacada genial e poderosa, que permite que a pessoa agredida não se exponha correndo mais riscos. Embora a primeira versão tenha sofrido críticas, a empresa redesenhou a estrutura da funcionalidade, incluindo dois canais para denúncias.

:: Natura ::

edital da Natura Musical 2020 (que teve Monique Evelle como uma mentes pensantes) apostou em um futuro mais diverso e inclusivo, cobrindo uma lacuna na cultura necessária em um ano onde a disputa política e econômica vem se sobrepondo (irracionalmente) sobre a crise sanitária e social. A Natura também desenvolveu várias ações nesse ano para proteger mulheres e comunidades em situação de vulnerabilidade.

:: Pepsico ::

projeto Doritos Global Rainbow não foi apenas uma bela projeção de lasers arco-íris inédito no Brasil em homenagem ao Mês do Orgulho LGBTQ+ , mas também uma mensagem em alto e bom som em prol de um mundo mais inclusivo, onde o respeito e o amor ao próximo estejam à cima dos discursos de ódio e da polarização. 

:: Ambev ::

Com a música eletrônica como um dos pilares da marca, a cerveja Beck’s transformou as lonas do clube Green Valley (eleito diversas vezes como o nº 1 do mundo no top 100 da DJ Mag), em peças de moda comercializáveis. O clube foi duramente atingido por com um ciclone tropical e teve sua icônica lona destruída. Outra ação relevante foi o da marca Colorado, que lançou uma cerveja cujos preços variam de acordo com a preservação da Amazônia.

Eu acho que esse conceito faz super sentido e as marcas que conseguirem aplicarem na prática a partir de agora terão muito mais sucesso no mundo pós-pandemia. 

Plano Anual

Falta um passo para você fazer parte da Comunidade Inventivos.

You have Successfully Subscribed!

Plano Mensal

Falta um passo para você fazer parte da Comunidade Inventivos.

You have Successfully Subscribed!